17 de janeiro de 2012

Industrial e Empreendedor

Manuel de Barcelos Silveira Bettencourt
(06/07/1916 – 15/10/1989)
O senhor Manuel Barcelos foi um empreendedor com visão de futuro. Perante as dificuldades da altura em que viveu, soube erguer uma conserveira, que primeiro se instalou no edifício da Casa do Povo da Praia e depois foi transferida para uma fábrica construída de raiz, na Rochela onde está hoje sedeada uma empresa de construção civil. Estava dotada de equipamento moderno e uma boa rede de frio. Construiu também uma frota de vários atuneiros, com uma capacidade apreciável para capturas de atum.
Para quem não conheceu é difícil imaginar a azáfama no porto da Praia e na linha de fabricação que a atividade da empresa provocava.

Na revista Açores – Madeira, publicada em 1955, Manuel Barcelos era caracterizado como “Braço forte e visão rasgada; incansável e exemplar homem de trabalho” e mais à frente refere que ”vai dotar a sua estimada ilha Graciosa com uma Fábrica de Conservas que ficará a ser a mais importante dos Açores e uma das melhores do País”. No mesmo artigo, aquela revista refere, e passo a citar, “a nova fábrica, que ocupará uma área de 5 mil metros quadrados, e cujo custo, devidamente apetrechada, orçará por cerca de 3 mil contos, constitui, de verdade, um grandioso empreendimento a que o nome e a ação do seu realizador ficarão honrosamente ligados”.

Se vivesse hoje, com os apoios que existem, decerto que este empresário estaria entre os melhores e com uma carreira de sucesso, porque a sua capacidade empreendedora foi sempre maior que as dificuldades que o perseguiram.

Vale a pena também referir outras qualidades, invulgares para aquele tempo. Graças o seu apurado sentido de responsabilidade, fazia honra em cumprir com os descontos para a segurança social dos seus trabalhadores, de tal modo que hoje muita gente, sobretudo mulheres, tem a sua reforma devido a essa preocupação para com o próximo.
Era prática corrente daquele empresário, também, dar trabalho aos homens em pomares e outros prédios, quando a fábrica não laborava, garantindo àqueles o seu ganha-pão em permanência, facto que também era raro naquele tempo e muito relevante, mesmo tendo consciência do prejuízo que isso lhe acarretava.
O senhor Barcelos foi derrotado pela falta de condições que reinava naquele tempo, nomeadamente pelas avarias nos equipamentos e pela ausência de um porto de abrigo que possibilitasse o alargamento da safra a mais alguns meses.

As suas qualidades fazem dele um cidadão de reconhecido valor e mérito, com grandes capacidades empreendedoras e dotado de um notável e invulgar sentido de justiça social.

video

1 comentário:

Merces Coelho disse...

Manifesto o meu apreço pelas referências justas ao perfil do Sr. Barcelos, que conheci muito bem e por quem tinha o maior respeito e que me retribuía com a sua simpatia.