13 de novembro de 2005

Melhor ambiente melhor futuro


A educação ambiental é, ou pelo menos devia ser, uma actividade transversal a todas as áreas da sociedade e a todas as actividades profissionais. Não faz qualquer sentido pensar-se num investimento desta natureza apenas nalgumas franjas da população. Quantos de nós não terão já cometido infracções ambientais? Quem não o fez que atire a primeira pedra.

Na Ilha Graciosa assiste-se, com aliás acontece noutras paragens, a um continuado desinteresse pelas questões ambientais, sobretudo marcada pela ausência de atitudes e posturas mais amigas do ambiente, apesar dos apelos nesse sentido, da aposta feita nas escolas (e muito bem) e no investimento na sua divulgação e promoção.

E referindo apenas questões mais práticas, verifica-se que são feitas limpezas em zonas sensíveis, como a orla marítima, por exemplo, mas pouco tempo depois fica tudo como estava, ou ainda pior. É desolador ver, um pouco por toda a ilha, entulhos pejados de lixo, abandonados nas bermas ou no domínio marítimo.

Este problema terá de ser resolvido. Para já penso que é preciso definir muito bem as zonas para a colocação de entulhos e determinar dias ou o modo como serão recolhidos aqueles lixos que, pela sua especificidade, não podem ser recolhidos no dia a dia. É preciso recolher as pilhas, os frigoríficos, os óleos, os pneus, os automóveis, etc., e dar-lhes um destino que garanta a continuação do processo de transformação para futura reutilização.

Depois de encontradas soluções indicadas para cada um dos casos, é necessário iniciar-se um processo de esclarecimento e de responsabilização dos cidadãos. Noutras localidades a GNR já fiscaliza e autua perante as infracções. Adiar por muito mais a resolução deste problema, é comprometer os vindouros e a demonstração da nossa incapacidade em arrepiar caminho.

A Europa, a qual nos orgulhamos de pertencer, é muito exigente nesta matéria, por isso vamos ter de mudar a nossa atitude perante esta problemática, ou então iremos sentir grandes dificuldades no futuro, já que a atribuição dos tão almejados fundos comunitários poderá ficar comprometida se não forem cumpridas as suas directivas nesta matéria.

1 comentário:

joe indio disse...

muito bem! és um senhor!